Gestão no Esporte – Falta de planejamento, dinheiro público e interesses pessoais na organização dos mega eventos esportivos no Brasil

O Brasil desperdiça a grande chance de dar um salto qualitativo tanto em infra-estrutura básica, quanto em políticas públicas para o desenvolvimento do esporte no país. Principalmente por incompetência, falta de planejamento e principalmente interesses pessoais dos nossos dirigentes políticos e esportivos.

Interesses pessoais como sabemos e bem comentados por vários jornalistas, como no artigo escrito pelo Sr. Augusto Nunes, “Os brasileiros caíram no conto da Copa”, a seguir:

“Três anos e meio depois da discurseira, está claro que os brasileiros foram vítimas do conto da Copa. Lula queria transformar a festa esportiva em trunfo eleitoreiro. Ricardo Teixeira queria ampliar o cacife para disputar a presidência da FIFA ─ e continuar prosperando. Orlando Silva também queria continuar prosperando…” Augusto Nunes

Falta de planejamento porque ao venderem muito bem o sonho da Copa e Olimpíadas, ninguém consultou a iniciativa privada para saberem da viabilidade econômica dos projetos, tanto das necessidades de infra-estrutura, como ampliação de aeroportos, transportes, comunicação, etc, quanto das arenas a serem construídas, fato gritante é que poucas arenas tem seus projetos executivos aprovados e finalizados, o que existe são belas maquetes e filmes ilustrativos, muito menos ainda se pensou em consultar os futuros gestores ou administradores destas arenas para participarem dos projetos e ajudarem a torna-las mais viáveis financeiramente e oferecerem a melhor gama de serviços possíveis, leia mais em Desafio da gestão esportiva – Como gerar lucro com as Arenas da Copa do Mundo do Brasil em 2014?.

O uso de dinheiro público para melhoria da infra-estrutura das cidades seria mais que uma obrigação do poder público mesmo sem mega-eventos, estes deveriam servir como uma força motivadora para realização das melhorias no país porém o que vemos é o nosso dinheiro, o dinheiro público sendo destinados a interesses privados, e o que é pior os custos aumentarão significativamente e elefantes brancos serão construídos onde não há público para sustentar a fome de recursos destes.

Para lembrar:

“Em 15 de junho de 2007, numa cerimônia no Palácio do Planalto, o presidente Lula avalizou com um sorriso e aprovadores movimentos de cabeça o palavrório de Ricardo Teixeira, comandante perpétuo da CBF. “A Copa do Mundo é um evento privado”, garantiu o supercartola.  “O melhor da Copa do Mundo é que é um evento que consome a menor quantidade de dinheiro público do mundo. O papel do governo não é de investir, mas de ser facilitador e indutor…

Quatro meses depois, Teixeira repetiu no Rio a manifestação de apreço pelos pagadores de impostos. “Faço questão absoluta de garantir que a Copa de 2014 será uma Copa em que o poder público nada gastará em atividades desportivas”. Em 4 de dezembro de 2007, também no Rio, o ministro do Esporte, Orlando Silva, oficializou a promessa com o aval de Lula: “Os estádios para a Copa do Mundo serão construídos com dinheiro privado. Não haverá um centavo de dinheiro público para os estádios.” Augusto Nunes

Como bem disse o Sr. Ricardo Araújo, sobre o uso de capital privado:

“Mas não é, nunca foi, e tão cedo não será. Nem no Brasil, nem em parte alguma do mundo, à exceção dos Estados Unidos. Esse é o único lugar em que existe capital privado, em quantidade e interesse, para “bancar” um mega evento esportivo com um mínimo de recursos públicos…

Nos últimos 30 anos apenas duas edições dos Jogos Olímpicos foram “privadas”. Los Angeles e Atlanta (essa última considerada a pior Olimpíada da era moderna) . As demais utilizaram 100% de recursos do Estado. Londres inclusive. Em termos de Copas do Mundo, apenas uma foi realizada com recursos quase todos privados. 1994. A Alemanha conseguiu uma pequena proeza, com 32% de recursos privados.

O grande problema é que nossos gestores públicos são incompetentes. Via de regra são pelegos indicados por conveniências político-partidárias e não por suas qualidades como gestores, esportivos especialmente. Não entendem de planejamento estratégico, nem de gestão de projetos, sendo incapazes de elaborar um projeto executivo, ou de gerir um equipamento esportivo.” Ricardo Araujo.

Para finalizar, fica a pergunta, qual a política pública para o desenvolvimento do esporte no Brasil? 

Nós já sabíamos, agora o TCU endossa o nosso conhecimento:

TCU constata falta de metas para o esporte

          O relatório do Tribunal de Contas da União sobre o último ano de governo de Luiz Inácio Lula da Silva, divulgado na quarta-feira, analisou, também, os programas do Ministério do Esporte, entre eles os de alcance popular.

Relato

“Constatou-se, entre outros problemas, grande contingente de crianças e jovens sem acesso à iniciação da prática esportiva, inexistência de um sistema de encaminhamento de talentos esportivos, insuficiência de escolas de prática esportiva, entre outros”, diz o TCU. José Cruz

Participe, comente, compartilhe.

Abrs!

Luis Carlos De Santana.

Sobre LUCZ consultoria em esporte

Consultoria em Esporte, Fitness e Qualidade de Vida. Projetos e Marketing Esportivo, Gestão em esporte e Fitness, Treinamento, palestras e Eventos esportivos.
Esse post foi publicado em 2014, Copa 2014, Esporte, Gestão, Instalações Esportivas e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s